WELCOME

"Seja parte da mudança que deseja ver no mundo" (Mahatma Gandhi).

sexta-feira, 24 de abril de 2009

A natureza da personagem Coringa: herói, vilão ou parte de nós?

Senhor burguês:
_ Não temos medo de valentões como você!
Coringa:
_ Você me faz lembrar meu pai e eu odeio meu pai!
Sugiro estudarem o mito de Édipo, por Sófocles e Freud.
(...)
Desta vez eu fiquei realmente surpreso, pois parecia haver um psicanalista muito competente nos bastidores do filme “Batman – The Dark Night”, produzido pela gigante Warner, visto que, a personagem Coringa, interpretada brilhantemente pelo falecido ator Heath Ledger, não deixou a desejar em nenhum sentido, sobretudo no que diz respeito à coerência estrutural a se esperar na interpretação de um perverso clássico. Cenas complexas me chamaram atenção e diálogos cheios de tudo que um perverso ou um neurótico com traços traumáticos recalcados gostariam de viver. Coringa é tudo de nós que não pode sair, toda nossa agressividade, raiva, ódio, desespero, Coringa é a morte, nosso prazer total. Freud nos assevera em “Mal Estar na Civilização” que, se não fosse a cultura, não seríamos homens, seríamos pura voracidade, agressão, sexo, dor e morte, ou seja, é a moralidade cultural que nos torna mais amigáveis. Outrora, Coringa não tem moral, ele é objeto de outro Outro, o Outro Maléfico e o faz muito bem. Why so serious? Porque tão sério? Talvez porque nossa verdadeira satisfação pulsional esteja amalgamada e a salvo de realizar-se devido a nossa capacidade de procriar a vida, mas se isso não fosse possível riríamos de toda dor investida em outros e não seríamos tão sérios, acharíamos graça de todo o horror. Há quem ache graça não é mesmo? É só lembrarem de alguns eventos Árabes após a queda das Torres Gêmeas nos EUA, mas talvez não seja necessário ir tão longe. Epicuro, filósofo da ética, nos aconselha domar nossos instintos para que possamos alcançar a paz (ver conceito de prazer para Epicuro) e evitar a dor, mas porque isso é necessário? Talvez porque se não muitos Coringas, reprimidos e a solta por ai, repetindo discursos providos de toda a hipocrisia moral, poderiam viver suas fantasias sádicas, porém não nos cinemas e nem tampouco com tamanho brilhantismo como na interpretação de Ledger. Freud (1920) nos aponta que tudo que não nos mata se resguarda apenas à reprodução, todavia já Coringa acredita: “Simplesmente o que não nos mata apenas nos torna mais estranhos”. Esta fala me chamou muito atenção, pois ele parecia saber que tudo nos mata. Como lembra Schopenhauer: “a vida tem como a morte sua tendência e finalidade natural”. Já Coringa acredita apenas que o que foge a isso nos torna estranhos, ou seja, será que quando nos inclinamos unicamente a vida sentimos determinado estranhamento? Bem, novamente por Freud, até mesmo ao reproduzirmos precisamos de um pouco de agressividade mortífera, visto que, para tomarmos o outro como objeto de nossa satisfação, a fim de zelarmos por nossa espécie, a fusão das pulsões de vida e morte deve ocorrer. Algumas vezes pude me deparar com depoimentos de amigos que diziam não conseguir amar, admirar e realizarem suas fantasias sexuais com suas ideais e puritanas namoradas, ao passo que, tais fantasias perversas eram direcionadas apenas para suas picantes, veladas e “safadas” amantes do sexo.
Por conseguinte, inúmeros seriam os exemplos que poderia eu citar nestas breves linhas a respeito de situações completamente perversas vividas por neuróticos. Quem não se lembra do depoimento do piloto do Enola Gay que executou as bombas atômicas em Hiroshima e Nagasaki? “Faria de novo e não me arrependo, pois estava apenas cumprindo ordens militares”. Será que no momento em que ele executou tal ordem militar alguma satisfação pulsional aconteceu? Bem, não sei, mas pasmem, pois provavelmente sim. O referido piloto parecia “satisfeito” em cumprir ordem militares.
No entanto, após ter vivido o imenso prazer proporcionado pelas fantasias cinematográficas viabilizadas pela interpretação da personagem Coringa, mais precisamente no dia 22 de janeiro de 2009, Heath Ledger foi encontrado morto devido a uma suposta overdose acidental de remédios. Ele sofria de depressão por conta de sua separação com sua ex-mulher Michelle Williams e com ela Ledger deixou uma filha de dois anos. Contudo, será mesmo que fora acidental ou somente a morte poderia trazer um prazer semelhante ao inconsciente de Ledger, após toda a satisfação que vivera como Coringa? Jack Nicholson fora entrevistado pela imprensa na intenção de dar seu parecer sobre o lamentável ocorrido e curiosamente, o experiente ator, ironicamente, apenas disse: “É; eu avisei”!
Roubar bancos e queimar uma montanha de dinheiro aos olhos da mídia fora mesmo algo de louco não é? Não, fora apenas a libertação de um senhor- o louvado “Senhor Dinheiro do programa fantástico da rede Globo de televisão”- que escraviza a maioria de todos nós, meros neuróticos, sempre alvos e destinatários das cenas com conteúdos perversos como as que Coringa usava para chamar a atenção da mídia enquanto apreciava suas “litlle emotions” com sua faca... Sabiam que um dos aviões da Segunda Guerra mundial tinha apenas a missão de filmar e fotografar as explosões atômicas? Este se chamava “Necessary Evil” ( Mal necessário). Necessário para quem?
Termino esta capenga discussão apenas perguntando: quem de nós não tem um coringa adormecido em seu âmago louco para ao menos ter a chance de fantasiar?
Atenciosamente, Allan G.

59 comentários:

  1. Acho que eu mesmo queria rasgar alguns assaltantes brasileiros com uma faca bem afiada. Concordo com o texto! Perfeito!

    ResponderExcluir
  2. O sonho neurotico de consumo é a ausência da culpa. Somos controlados por ela, sem a culpa nada nos impediria de colocar em prática os nossos pensamentos! Temos na verdade uma imensa invenja dos pervesos por conseguirem realizar todos os nossos sonhos mais obscuros!

    ResponderExcluir
  3. Isso nos faz pensar sobre o que somos na verdade não é mesmo Danny? Note como fica mais fácil ameaçar quando podemos ser anônimos? Como no comentário acima...

    ResponderExcluir
  4. Meu caro amigo, meu coringa, desmedito de prazer fez isso quando humilhei uma aluna em sala de aula nesta quinta-feira passada, ,me deu um súbito prazer irreconhecível... Que logo depois se transoformou num tormento social. Não nego vive meu prazer de coringa, em humilhá-la a cada segundo! PS FARIA novamente!

    DESABAFO!

    ResponderExcluir
  5. E vou deixar cada erro de português e construção ai que faz parte do desabafo!

    ResponderExcluir
  6. Com certeza, é mais facil se esconder por tras de um anonimato, pq na verdade Allan a culpa nos faz sentirmos verdadeiros anonimos quando nossos desejos perversos se afloram!

    ResponderExcluir
  7. Nossa! Muito bom!
    Parabéns meu amigo!

    ResponderExcluir
  8. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  9. NOSSA!!!
    ADOREI O TEXTO... E DIGO MAIS... TUDO QUE O ALLAN ESCREVE ME FAZ OLHAR BEM DENTRO DE MIM MESMO... REFLITO E VEJO QUE MUITAS PERVERSÕES SOU CAPAZ E TENHO VONTADE DE FAZER... É UMA PENA QUE QUANDO NASCEMOS JÁ ESTA TUDO PRESCRITO PARA NÓS... POIS REALMENTE SE NÃO FOSSE LEIS,CULTURA E TUDO MAIS,AS COISAS SERIAM BEM DIFERENTES... TENHO VONTADE DE FAZER CADA COISA COM QUEM NÃO GOSTO E QUANDO ME CONTRARIAM!! E SEMPRE TENHO PENSAMENTOS BEM MALS QUE NAO ME ARREPENDO NADINHA(DEUS QUE ME PERDOA DAS COISAS QUE PENSO!)HEHE... MAISS A CULTURA EM SI NOS COLOCOU UM FREIO!! (MALDITO FREIO E MALDITAS LEIS FEITAS POR HOMENS QUE SE ACHAM "DEUS" PARA JULGAR UM SER HUMANO)
    ACHO QUE METADE DE MIM É CORINGA!!! PENSO MUITAS COISAS SEM TER AO MENOS UM PINGO DE CULPA...
    AS VEZES TENHO MEDO DE MIM MESMO!! POIS SEI QUE QUALQUER UM PODE SURTAR E TOCAR O F...PARA TUDO; E SEI QUE TBM SOU CAPAZ DISSO... PARABÉNS PELO TEXTO ALLAN!! BJOS

    ResponderExcluir
  10. Amanhã é dia de segurar meu Coringa para não matar os malas dos cruzeirenses! GALOOOOOOOOOOOOOOOOO!

    ResponderExcluir
  11. Pois é. Preferia não vê-los amanhã. O lado coringa deles vai estar a solta...

    ResponderExcluir
  12. Adoro ler seus textoos, mas esse foi o melhor até agora.

    ResponderExcluir
  13. Obrigado meu bem! Espero que tenha lhe acrescido algo, pois vc tem me acrescentado muito. bjoooo

    ResponderExcluir
  14. O limite entre o bem e o mal "às vezes" está na nossa óptica. Não se deve matar até que a morte esteja preste a lhe atingir. Isso reflete bruscamente que situações são impostas até que um precipício esteja no seu próximo passo. Cultura, educação e formas de vida sociável nos colocam numa redoma de vidro e faz com que nós vivamos em “certa” harmonia. A complexidade da vida nunca vai parar, pelo menos enquanto a terra não pára! Muito bom seu texto. Abraco.

    ResponderExcluir
  15. Obrigado Fredão! Gostei demais da crítica sobre a gripe do porco!

    ResponderExcluir
  16. Ninguem é 100% bom e nem tao ruim o tempo td como o personagem...nessa hora agradeço por termos essa tal cultura pre imposta...embora nao acredite nem um pouco nos conceitos de certo e errado, mais nos servem de parametros pelo menos!!! parabens pelo texto!bjs

    ResponderExcluir
  17. Comentário, doce, sutil e perfeito! Obrigado Luciana.

    ResponderExcluir
  18. Hoje espero que o Galo esteja encoringado contra o vitória!!! ahuahuaa

    ResponderExcluir
  19. Ana Cecilia Lemos29 de abril de 2009 15:23

    O Coriga é um Vilão,não pode ser um heroi,assim existe a necessidade de odia-lo,a necessidade de ama-lo,não podemos nos percebermos como viloes,precisamos"jogar pedra na geni",precisamos repugnar o que na realidade nao aceitamos em nós.Corina não é Heroi ,nem nós é nosso vilão,não somos nem queremos ser viloes,mas precisamos deles para pontuar os herois que acreditamos ser.

    ResponderExcluir
  20. Bacana, mas isso vc tirou do texto de hj hein? hauhauaa precisamos do stigma pra nos sentirmos normais! ahuahuaha

    ResponderExcluir
  21. Amo o Coringa, neste filme ele chama mais a atenção do que o próprio Batman! Com certeza se não fosse a nossa cultura, não seríamos tão morais, e isso não é ruim. Com certeza cada um tem um coringa dentro de si, pensamentos e desejos perversos que não os realizam apenas por apego à vida ou pela imagem na sociedade, e isso é o que mantém nossa vida e nossos relacionamentos em ordem. O Coringa faz o que quer, da maneira que quer, sem ter medo do que as pessoas vão pensar a seu respeito, faz o que todos um dia teriam vontade fazer... falar o que quiser, se vingar de todos que lhe fizessem mal um dia, ser o dono de si mesmo...
    muito boa sua análise Allan!

    ResponderExcluir
  22. Obrigado pelo comentário Ju! Muito pertinente!

    ResponderExcluir
  23. Penso que nada mais perverso do que antes de escrever um comentario é ler o que os outros dizem a respeito do texto, assim posso ver onde está o CORINGA de cada um, uns falam que o adoram, outros que se sentem como ele ou pensam as vezes em agir como tal. Mas aqui nós assemelhamos ao BATMAM, ele escondido por uma mascara e nós por de traz de algumas linhas. Ser CORINGA não é para qualquer um.
    Assumir nossos dejezos mais perversos e colocar pra fora tudo o que desejamos sem culpa alguma,não é facil, ainda mais sabendo da existencia de um Outro, que pode ser evocado a qualquer momento.
    O CORINGA não tem essa critica, mas nós vivemos o tempo todo com receio que se possa surgi no ceu um sinal lumino, como o simbolo do BATMAM...

    ResponderExcluir
  24. Nossa!
    Realmente, meu lado coringa fica presente a todo momento pois quem é que nao se sente bem quando uma pessoa que nao gosta de vc e faz tudo pra gente se dar mal cai de uma escada, briga com alguem e sai perdendo, passa vergonha na frente de uma multidao ou ate vc msm faz algo contra ele! essa sim é a melhor sensação de todas! quem dera se eu tivesse coragem de fazer tudo q ele faz com aquela frieza toda, pra fazer tudo q tive vontade mais nunca coragem..
    Coringa é meu idolo!
    afinal...
    Why so serious??

    ResponderExcluir
  25. Obrigado pela honestidade Phillipe, mas lembre do MADRUGA: "A vingança nunc é plena, mata a alma e envenena"! ahuahuha abraço Alln G.

    ResponderExcluir
  26. Diz-se que, em política, o que parece, é. Bom, isto será verdade para a política, mas não para o mundo que nos rodeia, incluindo nós próprios. É talvez até por isso que se diz que quem vê caras, não vê corações. E não vê mesmo, porque quase nada é tal e qual o que nos parece!Nem corações nem nada do que realmente se passa dentro de nós. E, é fato que a convivência entre as pessoas nos modifica cada dia mais. Sabemos de tudo o que disse pelo simples fato de não controlarmos nossos proprios pensamentos( onde habitam ainda nosso instinto ), e mais, é só voltarmos aos tempos primatas, como agiamos e tudo o mais! Ainda existem traços marcantes que nem sequer notamos. O mal ainda prevalece sobre o homem...massacres continuam a existir..Foram as Cruzadas,a Inquisição,a Ditadura,no Oriente Médio. Chefes de Estado nomeiam-se Deuses e chama ao outro de Satanás. Ainda se morre de fome,mas gastam-se fortunas em armamentos.Orgulho, egoísmo, inveja e ódio continuam conosco como a milhares de séculos. São as bases das chamadas "Guerras Santas" como se ouvesse alguma divindade nessas atitudes.Essa Guerra Santa é para ser declarada para contra os outros ou contra nós mesmos? Continuamos criticando o próximo e nos absolvendo, como se "nós mesmos não fossemos nosso pior inimigo"...e de certa forma... mudamos o meio quando nos mudamos... Chega de pensar que o problema é o outro, olhemos para nós mesmos!
    Ótimo ponto de vista Allan!
    bjinhus

    ResponderExcluir
  27. Interessante ponto de vista meu amigo...

    ResponderExcluir
  28. meu amigo descupe pela demora para comentar
    eh que ando sem tempo mesmo pra internet mas aqui esotu...
    penso que sua ideia faz um sentido muito grande poiso coringa resalta totalmente a cara
    da humanidade de nossa era,o que o curinga nos mostra eh justamente a mesma coisas que os cartolas de nosso mundo estao fazendo com a humanidade so que a diferenaç que eles falam que sao bons e estapam um sorriso nao feito de cortes de facas como do nosso personagem curinga eles estapam nao a ideia fisica de sofrimento,na verdade estampam hein seu sorrisos "nao façam o que faço.faça o que digo"
    por isso o cruinga ainda fica para atras desses "grandes homens" pois aleme de possuir toda a maldade,sao alem de tudo hipocritas...
    muita paz e luz em seu caminho amigo!
    abraços!

    ResponderExcluir
  29. Deborah,

    Você parece ter pegado direitinho meu raciocínio e fez ainda melhor, pois ilustrou sua fala fazendo algumas retomadas históricas importantes, que jamais podem ser esquecidas. Você sabe que existe algo mal dentro de você também. Mas será que o bem e o mal também não são construções sociais? Acho que Nieztsche pode nos ajudar neste ponto, pois ele pensa questões muito "Além do bem e do mal". Entretanto, continuo pensando que devemos nos fixar no que há de bom em nós e no mundo, afinal também sou uma construção social e prefiro desconhecer a essência do mal e praticar o bem, mesmo sem saber ao certo o porquê. Obrigado pelo seu comentário. Allan G.

    ResponderExcluir
  30. Ricardo,

    È bom ver que um cara tão jovem, que também estudou numa escola de freias tão hipócrita e diferente do coringa, pois elas usavam religião para cobrar caro por um estudo e um regime tão vazio quanto suas idéias. Obrigado por lembrar que o coringa é a sinceridade de tudo que nos envergonha. Abraço Allan G.

    ResponderExcluir
  31. Amei o texto,ta de parabéns !

    ResponderExcluir
  32. Ahuahua obrigado pessoa anônima! Alln G.

    ResponderExcluir
  33. Allan, o que você escreve nos faz pensar! É verdade, qdo vc diz que o "coringa" está dentro de cada um, as vezes algumas pessoas transparessem mais, outras menos, mas ainda sim existe esse nosso lado perverso (acho que é assim que vc escreveu).
    PARABENS!!! A forma que vc escreve é mto interessante, é bonito!
    Continue nesse caminho que vc será um grande profissional..Desejo mto sucesso p/ você!
    Beijoss,

    ResponderExcluir
  34. Ótimo texto cara. Me faz refletir melhor sobre os nossos traços perversos... hum! (introspecção) de verdade! Que atire a primeira pedra quem nunca sentiu prazer ao ver a pessoa que vc "não gosta" se dár mal. A verdade é que a humanidade caminha... bom prefiro nem dizer pra onde rs... Pois bem! Adorei o texto principalmente por ter contribuido demais para que eu me livrasse da minha culpa (de longa data) em sentir prazer no sofrimento alheio.
    Bom, pra finalizar quero felicitar o autor, um amigo inteligente, que me surpreende sempre, parabéns cara, vc me orgulha. Tudo de bom.

    ResponderExcluir
  35. Obrigado pelo carinho Sarinha! Vc tem uma luz dentro de vc que ofusca seu lado Coringa! abraço Allan G.

    ResponderExcluir
  36. Obrigado Guilherme! A culpa é o que nos torna diferente de verdadeiros coringas que são ainda mais podres que o do cinema, pois ao mesmo ele era divertido e autêntico! Pior são determinadas pessoas que escondem o mal que fazem com cumprimentos de bom dia e boa tarde... Abraço Allan G.

    ResponderExcluir
  37. "Caralho, Batman".

    O Coringa do filme foi obviamente inspirado no Coringa do Graphic Novel "Piada Mortal", assinado por ninguém mais ninguém menos do que Alan Moore (só pra constar, o mesmo carinha que escreveu Watchmen). A idéia da personagem é demonstrar que sua existência só ganha sentido em sua relação com o Batman - ele é o anti-Batman em um monte de sentidos e se aproxima dele em muitos outros. Um é o vigilante mascarado, que preza pela justiça, embora vista-se de forma sombria, um verdadeiro Cavaleiro das Trevas, fazendo alusão aos cavaleiros dos contos de fantasia medieval, que eram, basicamente, heróis fantásticos para a galerinha da época. Do outro lado temos o Coringa, insanamente maligno, porém usando roupas coloridas, aparentemente alegres, um piadista, o ápice do humor negro - um bufão que faz piada com as cortes que o recebem - piadas de mal gosto!

    [Eu particularmente gosto mais da roupa exagerada dele, que evidencia esse aspecto]

    Acho que a idéia do Alan Moore era justamente tratar disso que você aponta no texto, Alan, os aspectos mais sombrios de nossas psiqué mas que, de certa forma, são parte de nós. No caso, prefiro evocar Jung a Freud (Jung que a próposito foi citado pelo Espantalho, no filme "Batman Begins"), quando esse autor trata dos dois complexos que formam-se partindo do arquétipo do self, o ego, consciente, e a sombra, inconsciente, que justamente incorpora aquelas características que não são congruentes com o ego. O conflito desses dois complexos, basicamente, são a base para a construção de uma persona. O Coringa é a sombra do Batman - onde um é sombrio, o outro é colorido - seja nas roupas, seja nos valores.

    O Batman é uma figura austera, séria, que possui uma causa, algo que motiva a sua existência, a ordem. O Coringa, por outro lado, é uma figura debochada, e ao mesmo tempo caótica - a única razão de sua existência é ser o anti-Batman. Se Batman não existisse, provavelmente não haveria o Coringa. Ele é, numa linguagem psicanalítica, o retorno do recalcado.

    Assim, dessa mesma maneira, os nossos "coringas", sejam eles nosso lado sombrio, sejam eles nossos vilões sociais, fazem-se num oposição direta aos nossos heróis paladinicos.

    Para cada arranha-céu de vidros luzentes que se ergue nas grandes metrópoles, administrando e movimento o capital, existe um beco sujo onde rolam negócios ilegais. Para que existam ricos, é preciso que hajam miseráveis. O amor dificilmente existiria sem o ódio. Então, achei legal eles terem retratado isso no filme, e que tenham pessoas refletindo a sério sobre isso.

    Agora, deixo aqui minha recomendação de que leiam o quadrinho do Alan Moore, "Piada Mortal", que é tão genial quanto a versão cinematográfica (talvez até mais).

    ResponderExcluir
  38. http://www.4shared.com/file/5746906/528c479e/batman_-_a_piada_mortal.html?s=1

    Para quem se interessar, ta aí, em cima, o link para a revista, em formato PDF.

    A propósito, Jack Frost é o meu eu internético, o comentário foi do Danilo.

    XD

    ResponderExcluir
  39. Obrigado Danilo Faria por fazer uma reflexão levando em consideração as influências sob o filme. Acho que isso enriquece ainda mais as coisas por aqui Abraço Allan G.

    ResponderExcluir
  40. Seria bom se pudessemos, tivessemos a coragem de falar/fazer o que achamos certo sem precisarmos assumir uma identidade que não nos pertence!
    Fará falta

    ResponderExcluir
  41. Obrigado pelo comentário Natália Freitas. Tenho certeza que vc não precisa de "maquiagem" para fazer o que deseja fazer. Allan G.

    ResponderExcluir
  42. Conseguiu escrever de uma forma brilhante sobre um assunto tão difícil até mesmo de se pensar, por que na verdade, todos temos estes pensamentos e isso é o nosso "lado mau" e vivemos fugindo dele. Acho que é preciso se "dar bem" com seu próprio lado mau para poder escrever todas essas coisas sobre ele.
    Ótimo texto.

    ResponderExcluir
  43. Obrigado Bruna! Está sendo bom trocar idéias com você! Abraço Allan G.

    ResponderExcluir
  44. Adorei o texto. Muito bom. Afinal, todos temos um lado coringa. E confesso que prefiro deixá-lo guardado. Só o liberto em momentos estratégicos. Quando sei que libertá-lo não me fará tão mal. Creio que não viveria bem se deixasse o meu coriga me dominar diariamente. Seria uma pessoa grosseira e arrogante. Mas infelizmente as vezes perco o domínio sobre ele, e o meu "lado mal" domina. E concordo com a Bruna. Você conseguiu escrever; de forma clara; sobre um assunto dificílimo até de pensar. Parabéns, continue assim e chegará aonde deseja.

    Beijos Pidi

    ResponderExcluir
  45. Obrigado Priscila, seu comentário foi muito pertinente. Allan G.

    ResponderExcluir
  46. É o seguinte, curti muito o teu texto. Cara, é a pura realidade. Temos um pequeno coringa dentro de nós. Digo um pequeno, pq acho exagero falar que é a metade. Daí eu acho que passa a ser doença. E ninguém tá livre disso não. Muita gente, quando vê alguém cair, primeiro ri, pra daí ir ajudar. Vcs acham que riem pq foi engraçado? De engraçado não tem nada. É o nosso coringa rachando o bico. Minha namorada faz chapinha, e quando o cabelo dela pega umidade arrepia todo e ela fica triste. Agora eu entendo pq acho graça. É novamente o meu coringa entrando em ação. Gostei do teu texto cara.


    Rubens

    ResponderExcluir
  47. Seu texto até que está razoavel, mas faltou se aprofundar um pouco mais nos exemplos que deu. Você citou inumeros deles, mas em nenhum momento deve ter pensado que nem todos conhecem esses exemplos, então se estivesse explicado um pouco melhor, seu texto teria ficado mais entendivel.

    ResponderExcluir
  48. Cara Pri,

    O que você não entendeu? Abraço, Allan G.

    ResponderExcluir
  49. Quem é Schopenhauer?
    Você cita outros nomes estranhos, mas como não sou "tão desinformada" sei que foram pensadores "não tão importantes".

    ResponderExcluir
  50. Agora entendo porque você não entendeu, pois se Schopenhauer tivesse sido importante para você, você não seria tão ignorante. Vai estudar!

    ResponderExcluir
  51. Adorei seu texto e concordo com vc.Temos um herói e um vilão dentro de nós.Sentimos sim prazer em pensar e/ou fazer coisas que só se teria coragem se fossemos loucos, ou se por alguns segundos perdessemos a noção de tudo que é ''correto'' e não pensar em quais consequencias esses atos trariam pra vida.Mas o pensamento existe sim,só que lutamos contra ele.Quem nunca pensou como seria bom,se a pessoa que vc não gosta se ferrasse bonito?rsrs é um exemplo leve,mas os pensamentos vêm,o sentimento é incontrolável,mas as ações não.
    Bju Allan e parabéns

    ResponderExcluir
  52. Obrigado Paulinha! Você entendeu direitinho, malvada hein? rs

    ResponderExcluir